martaprozil

Bordado de Viana

Bordar é ornar um tecido com desenhos e motivos por meio de uma agulha e linha conferindo-lhe beleza.

As primeiras notícias sobre o bordado em Portugal são bastante antigas, e para o seu desenvolvimento contribuíram as instituições religiosas.

As origens do bordado de Viana mergulham no mundo rural das aldeias do concelho, por aí se encontrarem bordados a fio de algodão e lã que eram empregues nos trajes das populações rurais femininas. Esses motivos e técnicas de bordado usado na confecção dos trajes moldaram o bordado de Viana transformando-o comercialmente num chamado bordado típico.

 

Os bordados de Viana saíram do anonimato pela mão de D. Geminiana Branco de Abreu Lima, que os expôs pela primeira vez durante as Festas da Senhora d’Agonia em 1917. Fica a dever-se a esta ilustre senhora a organização desta indústria.

Os bordados de Viana são executados em linha de algodão sobre tecido de linho grosso ou caseiro, linho fino e também em tecidos de algodão em azul, branco e vermelho, onde a bordadeira minhota improvisa as suas composições com admirável intuição artística, usando motivos de inspiração natural dispostos de forma simétrica. Predominam os arranjos florais, as japoneiras e os corações entre outros motivos.

Evoluindo num sentido mais moderno no gosto, o bordado de Viana apurou os seus desenhos mas sem nunca perder os seus elementos definidores; encontrou novos tecidos e texturas e também novos usos em objectos de consumo urbano.

 

Certificação do Bordado de Viana

O Município de Viana do Castelo em conjunto com a Comissão de Acompanhamento do projecto “Bordados de Viana, Património Vianense”, veio desde 2005 a trabalhar para a certificação deste mais fino produto artesanal que é o bordado de Viana, cientes do valor que os bordados regionais de Viana se revestem para o artesanato e cultura etnográfica.

 

Foi alcançado em 2005 o registo nacional de denominação de origem para o “Bordado de Viana do Castelo” criando assim, uma marca composta por um símbolo de denominação, desenvolvido pelo designer Rui Carvalho.

O passo seguinte foi dado com a publicação do “Caderno de Especificações do Bordado de Viana do Castelo”, documento norteador do processo de certificação uma vez que aí se encontram descritos os elementos caracterizadores e definidores do bordado de Viana.

Neste documento fica demostrado o caracter único e inconfundível do bordado de Viana distinguindo-o dos demais bordados nacionais e estrangeiros.

O processo de certificação dos Bordados de Viana achou-se concluído a 13 de Agosto de 2012 com a atribuição dos primeiros certificados do bordado de Viana às bordadeiras e responsáveis por unidades produtivas. Nesse mesmo dia foram certificadas as primeiras peças bordadas no Museu do Traje em Viana do Castelo.

Marta Prozil foi uma das artesãs a quem foi entregue um certificado e aí obteve as suas primeiras peças do bordado de Viana certificadas.